13 julho 2007

Impostos, morte, aborto e infertilidade

Hoje é dia de rant e daqueles grosseiros e pejados de má vontade. Passo a explicar: para quem ainda não entendeu, desde à uns meses e por culpa da penalizadora acção do Estado sobre a Segurança Social desde sempre, vamos ter de trabalhar mais anos e ao fim desses "mais" anos, receberemos menos dinheiro da nossa reforma.

Para quem esteve mais desatento, isso acontece porque o Estado, ao contrário de tantos países ao nível do nosso, não usa a Segurança Social como as entidades privadas usam os fundos de pensões, ou seja, como gestor do nosso investimento para uma segurança financeira na velhice. Ou seja, os nossos impostos, que deveriam assegurar a sustentabilidade desses investimentos, são usados de outra forma. Não aponto o dedo a nenhum governo em concreto, nenhum deles, tanto quanto sei, fez o que tinha a fazer.

Nessa ponta do iceberg estão os idosos pensionistas. Ora estes são cada vez mais em termos absolutos e relativos. Porquê? Porque os estupores dos velhos não morrem porque a medicina continua a avançar! E Ainda bem!

No entanto, no mundo ocidental o número de filhos por casal diminui todos os anos. Uns por opção, que eu aceito, outros por problemas de infertilidade. São centenas de milhares de pessoas que são afectadas. Quanto custa um tratamento? Um a quatro anos e até várias dezenas de milhares de euros. Agora vem a parte fodida: quanto custa abortar? Nada. Nem aquela taxa taralhouca dos hospitais. E qual é o apoio do Estado para os casais inferteis? Nenhum, excepto se decidirem usar os serviços do Estado ( com taxa moderadora ) e estiverem dispostos a aguardar anos pela sua vez.

Coitado do Estado que nem pode fazer mais nada... Ah! Esperem! O Estado pode obrigar as companhias seguradores a darem suporte aos casais inferteis! Até porque as seguradoras pagam, por exemplo, cirurgia estética, mas não tratamentos de infertilidade. Vamos ter cada vez mais velhos cada vez mais bonitos!

Liguem os pontos e vejam até que ponto é que o envelhecimento da população vos vai afectar daqui a 30 anos e decidam-se a ajudar quem precisa. Da mesma forma que defendo que uma mulher tem direito ao aborto e tem direito a ser apoiada na sua escolha, da mesma forma que considero que a cirurgia plástica pode revelar-se como uma diferença fundamental na qualidade da vida psicológica de uma pessoa, defendo que os casais com dificuldades tem de ser apoiados JÁ!

É o nosso futuro a muitos niveis que está em causa. Por favor, juntem os pontos.

5 comentários:

KosmiCKhaoz disse...

isto se for lido da forma errada pode parecer em tom de gozo, mas não é, estou a falar a sério...

acho que devias enviar uma cartinha à TVI... sério

Vlad disse...

Nah! Nem os Dzrt, nem os Morangos se deparam com estas questões.

Nucunão disse...

Posi itso anda mesmo mau a nivel de saude. Tenho um avó surda de nascença com cataratas, já cegou de um olho e mal vê com o outro.
Já vi reportagens como estas na televisão em que atacm o estado mas o estado tá-se a cagar para isto tudo. O que interessa é ter submarinos que protejam os vivos e aeroportos para virem imigrantes. É uma maneira bem mais fácil de repor população...

Summer disse...

Embora forte, com palavras bastante carregadas é esse mesmo o cenário triste que se vive em Portugal.

A lei da Procriação Medicamente Assistida foi publicada em Diário da República a 11 Julho de 2006, o período de regulamentação terminou em Janeiro de 2007... acho que com isto digo tudo...

Dizes que são centenas de milhares de pessoas afectadas, eu digo-te que são mais de 500.000 casais... sem ajudas... com tempos de espera de anos... que desesperam...

Pessoalmente sou contra o aborto mas respeito as decisões de cada um. Se a lei foi aprovada e já está em prática essas pessoas têm agora opção de escolha.
A lei da PMA continua depois de um ano na gaveta, esquecida... não tem interesse político... e os casais, diferentes das mulheres que escolhem interromper uma gravidez, não têm escolha, são obrigados a esperar...

Obrigado por teres trazido este tema extremamente importante à atenção!

Beijinhos!

www.justwords.blogs.sapo.pt

Vlad disse...

Obrigado Summer, já mandei mais uma blogada à conta do teu comentário e de ter ouvido qual o custo da nova lei do Aborto.