09 dezembro 2008

Conversa com um jogador que quer fazer jogos

Este post vem a propósito desta thread que abri no GD-PT mas por motivos diferentes. Fui ao almoço convivio do Orion's Belt à umas semanas atrás. Por defeito de fabrico, cheguei cedo. A única pessoa que estava à porta era um jogador do OB que se prontificou a apresentar e a perguntar o meu nick.

"Não jogo... sou da empresa que está a trabalhar nos gráficos do OB2?" disse com um sorriso e, admito, uma certa satisfação.

A conversa alongou-se entre jogos e o desenvolvimento dos mesmos até porque o meu companheiro de cavaqueira mostrou interesse em no futuro desenvolver apesar de nunca ter feito uma linha de um jogo. Disse que actualmente faziamos principalmente jogos flash, retorquiu:

"Ah! Não! Eu quero fazer jogos mas é a sério."

Ofendeu-me mas já estou a ganhar algum calo, se até dentro do gamedev nacional há quem pense assim, porque não um jogador pensar o mesmo? "Flash não são jogos a sério porquê?" retorqui... "Porque não podes, sei lá, por exemplo, jogar com outras pessoas e ligar-te a bases de dados nem tem gráficos 3D"

Sorri e disse-lhe, "Um jogo é um jogo quando fizeres um vais ver, mas olha... o Flash, suporta comunicações que permitem multiplayer, ligações a bases de dados e 3D. Há muitos profissionais a fazerem jogos sem serem jogos com brutos gráficos e mundos 3D, né? Nós ganhamos o nosso dinheiro do mercado gratuito, por exemplo."

E a conversa foi interrompida com a chegada da malta para o almoço e ficámos por ali. Não me ofende a ignorância, ofende-me a certeza com que se diz que o que fazemos não é "a sério" porque essa pessoa, eventualmente, um dia, quem sabe, vai experimentar o XNA. Entristece-me que se ache que o mercado AAA é onde as empresas de desenvolvimento mais têm sucesso, quando na verdade é onde mais abrem falência e que tudo o resto, seja o que fôr, é menor, fácil e impossivel de gerar receita.

Não quero que fiquem com a ideia que este jovem é mal intecionado ou má pessoa. É sim alguém que não sabe, como 99% dos jogadores, mas que, como 99% dos jogadores assume que entende de jogos porque os joga.

Espero ansiosamente pelo dia que sejam capazes de olhar para mim nos olhos e não acharem que sou maluco por fazer jogos como muita gente faz. Também espero ansiosamente pelo dia em que haja o reconhecimento do jogo, tal como fez a revista Time, em vez do mercado. Demora muito ou pouco? Não sei, espero que pouco.

2 comentários:

Raistlin disse...

Eu acho que começa logo pela ideia que as pessoas têm do que é o sucesso. Por cá a maioria acha que quem é conhecido ou aparece na televisão é melhor do que quem não é.

No caso dos jogos esses tipos pensam que só os jogos que aparecem nas revistas deles ou nas lojas são os bons e que o resto tentou acabar lá e falhou.

Acho que a ponte para outro tipo de público só vai começar a acontecer quando aparecerem jogos em 3D feitos no flash. Já há umas poucas experiências que resultaram bem.

Por mim um bom jogo é algo que me diverte, seja 2D ou 3D.

João disse...

Para quem nao acredita em jogos flash é ver 3 casos de sucesso, N+ da psp baseado num jogo de flash... Loco Roco é possivel de se fazer em flash e PATAPON (este ultimo é simplesmente fenomenal)

Sao jogos 2D, side scroll como os velhinhos e sao um entretenimento desgraçado... eu que o diga ^^