06 março 2008

Leis e senso comum

Sou da opinião de que as leis abafam o senso comum e tenho uma teoria de porque é que isso acontece. Numa democracia, a natural evolução dos tempos e as consequentes necessidades das populações, ou de parte delas, faz com que novas leis sejam criadas e leis antigas sejam revistas.

Acredito que os executivos políticos e as assembleias representativas encarem um determinado problema e desenhem uma solução e esta solução deve estar contextualizada na população ou na parte da população afligida pelo problema.

Existem aqui duas pedras na engrenagem: a primeira é o facto de os executivos políticos e as assembleias representativas estarem tão alheados da realidade das bases que a implementação do projecto se torna caótica e por vezes impossível. Por uma questão de visibilidade, o que é feito é atalhar e remediar, o que torna normalmente o projecto algo na essência parecido com a ideia original mas na prática, algo amorfo, descaracterizado e, simplificando, um problema novo.

A segunda é que há sempre quem não concorde com uma mariquice qualquer do projecto, aliás, normalmente há sempre muitos que não concordam com outras tantas mariquices e quando se juntam todos até parece que são representativos da população ou da parte da população cujo projecto, lei e implementação pretendem apoiar.

Exemplo 1 - A lei do trabalho: Aquilo que os sindicatos chamam protecção do emprego eu chamo "não querer fazer nenhum". Aquilo que o governo chama flexisegurança, eu chamo "liberalização do despedimento".

Exemplo 2 - A reestruturação do ensino: Os professores precisam de ser avaliados, concordamos, mas baseado em critérios que eles ou os alunos ou os pais podem moldar positiva ou negativamente, parece-me francamente mau. Espero pelo menos que concordemos que é preciso rever e reestruturar o ensino.

Qualquer um destes exemplos seria bem tratado com uma boa dose de senso comum, mas o mesmo é abafado pelas leis e as intrincadas soluções que se arranjam para agradar a todos, sejam gregos ou troianos. Não vejo que se implementem soluções (com algumas excepções avulsas) que de facto estejam relacionadas com os problemas que se abordam. É como se houvesse uma boa ideia, mas no meio da discussão se perdeu a essência e apenas se discutem teimosias.

Resumindo: o problema são as pessoas e a velha questão da desculpabilização. Defende-se que tudo está mal, mas se a solução passar a estragar-nos a pintura das unhas, acabou-se! Nem querem falar sobre isso. Toda a gente quer direitos, ninguém quer deveres. É este o retrato da população ocidental, virada para o seu umbigo a refugiar-se em leis, em morais, em direitos e a passarem às próximas gerações que a única forma de abordar a vida é sem esforço, mas com muita reclamação.

Querem democracia? Aqui vai uma fórmula simples que raramente é aplicada:

direitos = deveres

Sempre que houver um sinal de maior ou menor a substituir aquele símbolo de igualdade, algo está errado.

6 comentários:

clara neves disse...

Estou quase totalmente de acordo contigo.Em relação(como é óbvio) ao 2º exemplo que dás, toda a gente concorda(acho eu) com a avaliação, mas não nestes moldes e nesta altura quando isso não estava previsto no início do ano lectivo. Foi IMPOSTA, com uma calendarização absurda, com objectivos obrigatoriamente delineados nesta altura do ano, baseados não se sabe muito bem em quê.
Não concordo quando dizes que estala a pintura das unhas quando se aponta uma possível solução, pois nesta altura do campeonato com o que têm feito aos professores ( e não falo só da questão das avaliações), já não há pintura nas unhas porque acho até que já não há unhas!

Concordo que há uma grande falta de diálogo e uma enorme falta de bom senso. Democracia? Ups!


(Desculpa, mas a esta tinha que responder)

clara neves disse...

Atenção!Não me interpretem mal. Sou pelas mudanças, sim! Quando fazem crescer e são positivas, só que às vezes é preciso beber um chazinho que ajude à lucidez. Tenho dito!

E agora por isso vou beber o meu chá...

Vlad disse...

(ver se é desta que isto está farto de dar erros)

Olha que se calhar concordas, a formulação do meu texto é que não ajudou. :) Eu explico...

No contexto especifico da avaliação dos professores acho que quem está a cortar o diálogo com medo de estragar a pintura das unhas é o governo, não os professores. O exemplo que dei é típico do que estava a descrever, o problema está identificado, a solução parecia que ia aparecer e de repente começam a sentir-se pressões e aparece uma espécie de solução que não interessa a ninguém.

Para que fique claro, sou absolutamente a favor da avaliação dos professores e absolutamente contra os critérios "propostos" para a fazer. Acho que se há algum motivo para os professores fazerem barulho é este.

E responde sempre, não te inibas. :)

KosmiCKhaoz disse...

Em relação a este tema, no caso específico da nossa sociedade, parece-me que temos uma visam machista da coisa.
Quero com isto dizer que, umas vezes o governo outras a população, prefere ficar sentado(as) no sofá a fazer exigência sem se preocupar(em) com o processo. É algo tipo "eu quero que isto seja feito, isto tem de ser feito, mas não contém comigo!".

Depois existe sempre o factor afastamento entre população-governo. A história da educação parece-me causada por isso. Parece-me que o governo tem a ideia de que não precisa pedir opinião aos professores porque eles (governo) estão num patamar superior...

Basicamente só repeti o que já foi dito mas por palavras diferentes lol.

Para terminar, uma coisa engraçada para se fazer era uma página (ou outra coisa) onde podíamos adicionar sugestões/reclamações políticas e sociais, depois todos os outros podiam comentar a sugestão, votar na que achavam mais grave... etc...
É bonito mas não contém comigo para a fazer :P lolol

clara neves disse...

E agora lá vou eu para a MARCHA DA INDIGNAÇÃO... e é que vou mesmo indignada! Por causa da avaliação, por causa do ECD, por causa da forma como...etc. etc. etc.

Mestre do pito disse...

eu no que toca ao problema dos professores e a malfadada avaliação tenho uma visão muito pessoal.

o governo ainda acha que a melhor maneira de poupar é despedindo pessoas e quando falta motivos faz-se uma coisa que está muito in que é simular que se dá o poder ao povo. neste caso, deixa-se os ignorantes, arrogantes e petulantes dos pais avaliarem os professores, que para além de ensinar ainda se lhes é atirada para cima a tarefa de num para de horas por semana educarem os filhos dos outros que caso alinhassem nisso teriam um pai por disciplina.
depois vem o pai armado em sabixão qual novo rico armado em inteligente a reclamar por tudo e por nada.
eu apanhei uns bons tabefes quando era miudo. os meus pais nunca resmungaram com a minha prof e eu nunca a odiei por causa disso. pk sabia perfeitamente que os merecia. os filhos são tiranos e os pais são desligados.

ja chega de falar!