04 setembro 2007

Alguma informação

Venho falar de um assunto que me aflige a mim e a sensivelmente 30% dos casais em Portugal. Não me é fácil discutir o assunto mas considero importante discuti-lo. Esse assunto é a infertilidade.

Não pretendo passar-vos nenhum atestado de estupidez ou ignorância. O meu único propósito é disponibilizar a minha experiência para que estejam informados porque o maior problema da infertilidade é falta de informação.

Definição

Considera-se infértil um casal que, depois de 1 anos de relações sexuais sem contraceptivo não engravida.

Causas

Variadas. Endometriose, pouca qualidade dos espermatozoides, obstrução de trompas entre outras. Existe uma percentagem de causas desconhecidas.

Tratamentos

Cada caso é um caso dependendo da complexidade do problema. Há casos onde a estimulação da ovulação resolve até múltiplas operações cirúrgicas. Há muitos exames e tratamentos que mudam de caso para caso. Existem casais, homens e mulheres com múltiplas causas, logo múltiplos tratamentos.

Números

1 em cada 6 casais portugueses tem problemas de infertilidade.
40% dos problemas são de origem masculina.
40% dos problemas são de origem feminina.
15% dos problemas são de ambos os parceiros.
5% dos problemas são por motivos desconhecidos.

Problemas sociais

Ser considerado um problema feminino.
Negação do homem aos exames, tratamentos ou adopção.
Pressão psicológica sobre a mulher.
Desresponsabilização social do homem.

Onde procurar ajuda

Num especialista. O grande erro dos casais que se deparam com um panorama de infertilidade é procurar solução num ginecologista. Os ginecologistas não são especialistas e são inúmeras as histórias sobre tratamentos ad-hoc sem sequer haver exames masculinos.

Na Associação Portuguesa de Infertilidade. http://www.apinfertilidade.org

Acho que há um problema de infertilidade...

...então espera-te um longo caminho. Para o encurtares, dirige-te imediatamente à API ou a um especialista. Tudo o resto é perda de tempo. Vais ouvir dizer que é uma questão de tempo, que tens é de não pensar nisso. Vão-te dizer para tomares uns chás e piadinhas parvas. Ignora, não procures conselhos e vai a um especialista. Vai-te encurtar substancialmente o tempo de ansiedade.

A todos os que estão alheados do problema mas que lêem este blog

Este é um assunto muito sério e aquilo que vos peço é que o tratem com a seriedade que merece. Agora que têm alguns dados, sempre que souberem de um caso ou conhecerem alguém que tenha dúvidas, encaminhem-nos para a API, para este post ou digam-lhes para consultarem um especialista.

À data que escrevo isto, passaram quatro anos, intervenções cirúrgicas e semanas de recuperação de tratamentos ad-hoc e que colocaram a minha mulher em perigo de saúde e de vida, "patrocinados" por médicos ginecologistas sem qualquer objectivo que não o de receberem mais uma consulta.

5 comentários:

TC disse...

Obrigado por mais uma mão a dar uma ajuda.

Vlad disse...

Estamos cá uns para os outros.

elf_maniac disse...

""patrocinados" por médicos ginecologistas sem qualquer objectivo que não o de receberem mais uma consulta."
Por isso é que muitas vezes não acredito quando as pessoas me dizem que querem ser médicas por gostarem de ajudar as pessoas.

Vlad disse...

Talvez gostem, Elf, não sabemos. A minha experiência com um médico (mas que se estende a muitos casais com o mesmo problema) é que os ginecologistas não deveriam tentar fazer o papel de milagreiro.

Mas já tive médicos que era notório o interesse no paciente. Felizmente estes são a maioria.

O que é importante para mim é que se alguém se depara com este problema deve ir a um especialista porque a resposta raramente se encontra num ginecologista.

Squeezy disse...

por acaso tenho um caso na familia.. que tal e qual como referes já vai na "milesima".. tentativa... e andam bastante ansiosos e nervosos pelos resultados que esta nova tentativa pode trazer...

irei falar com esses meus familiares pra saber se recorreu a API!