05 junho 2007

Deja-vu

Ah pois é... segunda posta em pouco tempo. Há muitos anos atrás eu estava envolvido em projectos musicais aka bandas. Naquela altura a utilização de computadores e tecnologia mais sofisticada do que umas pedaleiras merdosas era normalmente conotada com a música electrónica e, regra geral, essa não era considerada música a sério porque a malta não tocava de facto em instrumentos de "carne e osso" ou cordas e peles.

Nessa altura foi-me apresentada uma tecnologia bem porreira chamada soundfonts. Como eu usava placas de som da Creative Labs, foi relativamente simples testar umas coisas. A grande diferença para o comum mortal é que estava ali a oportunidade para se compor música num vulgar PC sem que este tivesse um som electrónico.

Ora eu agarrei-me àquilo e não demorou muito tempo para que tivesse meia banda a ser processada por computador. A tecnologia evolui e a páginas tantas tinha boas baterias e bons teclados para acompanhar guitarras e baixos e vozes.

Caíram-me em cima os puristas: que aquilo não era música, quanto mais metal, que com baterista é que era, que a velocidade de composição era menor, etc, etc, etc. A verdade é que eu gravava demos em casa com qualidade de estúdio e demorava 30 minutos a montar a banda e a fazer som para tocar ao vivo. Em palco estavam dois a três músicos e alguém a tomar conta do computador.

Duas demos e vários concertos depois tornou-se óbvio que a minha aposta estava correcta. As minhas bandas andavam e as bandas dos puristas não. Também não demorou muito tempo para que a evidência dos factos se fizesse mostrar em tantas bandas comerciais e seus lançamentos.

Sinto o mesmo nesta minha aventura do GameDev. Pode até ser a mania da perseguição, mas sinto que os mais antigos e puristas não me vêem como um membro com alguma qualidade, talvez porque não exista da minha parte algo que demonstre o que eu penso que valho, talvez porque defendo a tecnologia empregue de outra forma.

O que é verdade é que esta sensação roça o deja-vu: o que antevejo vs o que pensam e sentem os mais antigos e/ou puristas. Não que me afecte. O tempo dirá quem tem razão e não tenho qualquer tipo de problema em aceitar que possa estar errado e se estiver, mudar a minha abordagem.

Mas para já, penso que estou certo e vai ser o fruto do meu trabalho que vai desempatar a questão. Se o deja-vu se confirmar, em breve virão as felicitações e as palmadinhas nas costas.

Desde que sejam honestas, serão bem-vindas.

2 comentários:

KosmiCKhaoz disse...

txiiiiiii, tanta discussão que eu tive à conta desse tema....

epá, sabes qual foi o teu erro... não quiseste fazer os programas de início, em casa e em assembly!!! Ahh, no emacs e prompt :D

Raistlin disse...

Também sofri com isso (mas a um nível menos sério) quanto tentei ser toda a minha equipa nos meus projectos em flash. Diziam que era uma plataforma menor, menos potencialidades e etc...bla bla bla

Só não consegui mais porque na altura não sabia o suficiente, não me vou queixar de tempo como os outros.